segunda-feira, 8 de março de 2010

Traição


Este é um tema que ultimamente tem sido muito falado... quase poderia dizer que está na moda porque, até as revistas falam sobre isso como sendo uma coisa natural. A revista Happy, que tanto gosto de ler, tem esse defeito, de incentivar à traição, falando nela como se fosse um "bem necessário" para apimentar relação...
Não, não consigo concordar com isso. Não posso dizer que nunca o farei mas, até agora nunca o fiz, e sinceramente é coisa que não me imagino a fazer contudo, por várias conversas que tive com diversas pessoas, ao que parece as coisas não são assim tão simples e tão lineares e, por vezes, acontecem coisas que fogem ao controle.
Ok. Consigo compreender uma situação pontual... Ou posso tentar compreender... Também não sou a pessoa mais indicada para falar sobre este assunto porque apenas conheço o outro lado, o lado de traída e, posso dizer que não é nada fácil... Os porquês são muitos e , na maioria dos casos acabamos por sentir culpa de uma coisa que não temos culpa.
Já ouvi também muitas histórias de traições... E realmente há traições e traições... (embora serão sempre traições)
Existem pessoas que traem, sabem o que estão a fazer e até sentem culpa pelo que fazem, não se expõem, não provocam e muito menos documentam... Por outro lado, há o outro tipo de pessoas que apesar de saber que não está correcto, não sente qualquer remorso, expõe-se, provoca a outra parte, liga, documenta a situação...
E este tipo de traição é muito mais cruel, embora existam pessoas que se fazem de vítimas. E são muitos os casos em que isso acontece... Infelizmente hoje em dia toda a gente conhece alguém que trai ou traiu alguém... Fala-se sobre isso em diversos blogues também, alguns a contar que traíram e as razões porque o fizeram, outros o inverso, a tentarem perceber porque razão foram traídos.
É mesmo caso para dizer que, o que os olhos não vêm coração não sente... É mesmo isso... Mesmo assim, prefiro saber tudo...
Eu já fui traída, e na altura, confesso que me custou mais a traição dela (que supostamente era amiga) do que a dele, porque ele sempre conseguiu ser um pouco mais honesto do que ela (se é que se pode aplicar honestidade na situação). A ele acabei por perdoar (não esquecer) a ela, não fui capaz porque, as suas atitudes foram de uma falta de... TUDO.
Hoje não tenho problemas em falar disso, já passaram muitos anos e eu, posso andar de cabeça erguida, sem medo e sem vergonha, já ela não acredito que o faça... pelo menos não na presença de pessoas que ela sabe que sabem o que ela fez.
Hoje em dia não são só os homens que o fazem, elas também... E escondem-se por de trás de um falso moralismo e de atitudes muito sonsas...
Poupem-me....
Eu não sou perfeita... nem santa... Aliás, nem tenho pretensões de o ser mas, não ando a espalhar falsos moralismos.
Enganam-se se estão a pensar que este texto é algum ataque, indirecta ou qualquer coisa nesse sentido porque, isto é apenas a minha opinião sobre este assunto (pelo menos até a data... futuramente não sei).
E como opinião cada um tem a sua...

[ Apenas quero deixar aqui uma pergunta (retórica, ou não): E SE FOSSE AO CONTRARIO, GOSTARIAM???]


1 comentário:

BalDocas disse...

Estamos muito Filosóficas hoje...deve ser da chuva.
Bem quanto ao tema tenho a minha opinião, nunca traí, e também (acho) que nunca fui traída, mas aí sou um pouco diferente de ti, em que perdoaste mas não esqueceste...Não eu não perdoava e dificilmente esqueceria!! Eu não perdou-o uma traição numa Amizade, imagina se perdoava uma traição no Amor!!
Acho que não!
Mas para termos a certeza de alguma coisa, talvez só vivendo-a...não sei como reagiria.

Beijo